Sistemas de inertização marítima

marine-inerting-systems

O ambiente no qual uma explosão pode ocorrer consiste em três elementos; a fonte de ignição, por exemplo, eletricidade estática; o combustível, por exemplo, um gás hidrocarboneto e oxigênio que estaria a um nível que suportaria a combustão de gases inflamáveis. A eliminação ou controle de qualquer um desses elementos impediria a ocorrência de uma explosão.

SST vendem milhares de sensores de oxigênio por ano no mercado aeroespacial da UE e dos EUA para controlar o nível de oxigênio nos tanques de combustível das aeronaves, a fim de reduzir substancialmente a possibilidade de acender a eletricidade estática ou outros eventos que acendam os vapores de combustível em um tanque de combustível da aeronave. Estes OBIGGS (On-board Inert Gas Generation Systems) foram desenvolvidos como resultado do desastre do TWA800 em 1996.

Por esta razão, SST iniciou a comunicação entre os fabricantes de sistemas de gás inerte para a indústria naval, pois eles utilizam um processo similar para manter a atmosfera dentro de limites não explosivos. Para isso, é necessário verificar e controlar o teor de oxigênio e hidrocarbonetos gasosos nos tanques de combustível e de carga.

A regulamentação exige que navios acima de 20.000 dwt transportando petróleo bruto, gases hidrocarbonetos ou produtos petrolíferos refinados tenham sistemas de gás inerte instalados. Entretanto, o Sub Comitê de Proteção contra Incêndios da Organização Marítima Internacional apresentou ao Comitê de Segurança Marítima um projeto de emendas SOLAS (Safety of Life at Sea) para consentimento e implementação de ações para evitar incêndio e explosão em navios petroleiros e petroleiros químicos que transportam cargas de baixo ponto de inflamação (menos de 60⁰C).

As novas emendas aos regulamentos SOLAS II-2/4.5.5 e II 2/16.3.3, que entraram em vigor em 1º de janeiro de 2016, declararam que o gás do sistema de gás inerte a ser instalado em todos os novos navios petroleiros e navios químicos de 8.000 dwt ou mais (ao transportar cargas de baixo ponto de fulgor de menos de 60⁰C).